sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A Perícia fascista e a Falácia do Estado neoliberal

                         O professor sob olhar do Estado de São Paulo é um monstro!
Entramos no ano letivo com mais uma da perícia médica do Estado de São Paulo: gordo não pode dar aulas! Felizmente desta vez o processo foi noticiado na grande mídia, pois há muitos anos os professores ouvem falar de absurdidades que a perícia comete, reprovando professores por problemas simples, passageiros ou de fácil controle. Como diabético, passei três meses realizando intermináveis exames, realizados com meus próprios recursos, pois se fosse esperar a marcação de exames nos hospitais públicos não poderia tomar posse. São diversas humilhações e pressões que os servidores estaduais passam na mão desses "supostos" médicos, contratados puramente para manter enxuto o número de assalariados efetivos. É a última das barreiras que o ingressante têm que vencer, e também a mais difícil. Usam critérios subjetivos, pedem exames caros e difíceis de fazer, muitos sem relação com a doença (eu trato minha diabetes na Unifesp, que não aceitou realizar os exames por serem de caráter admissional, e por considerarem não ter realmente nenhuma relação com meu caso investigar tipos de câncer, degenerações e vírus diversos). Eles ficam procurando pêlos em ovo, e se não encontram, é só dizer que o ingressante é gordo e pronto: REPROVADO! Por mais que o número de licenças médicas seja muito alto entre os docentes, e todos sabem que o trabalho é altamente "insalubre" em sala de aula, é evidente que é uma política de Estado barrar o número de funcionários. Poucos dos consursados foram chamados, apenas para se manter um terço dos professores em situação de temporários. É mais fácil de explorar, de manipular, de retirar direitos e claro, como todo pensamento neoliberal, sucatear a educação pública. Assim, o Estado trata seus professores de forma preconceituosa, somente os arianos puros podem assumir, somente os super-homens, capazes de suportar todo tipo de pressão e violência nas escolas precarizadas poderão vingar sem licenças médicas e somente os perfeitos não terão motivos de serem reprovados. Se tiver uma espinha, cuidado, você pode ser considerado inapto.

2 comentários:

Claudemir Mazucheli disse...

Parabéns pelo post!!!

Claudemir Mazucheli disse...

Parabens pelo texto!!
Devemos denunciar todo esse terrorismo!!