quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Conhecimento que não é mercadoria vira cinzas nesse mundo!


“Fahrenheit 451” - filme de François Truffaut, baseado no romance homónimo de Ray Bradbury.

Fahrenheit 451 - a temperatura a que o livro arde

Em Portugal está em curso a destruição de milhares de livros porque “os livros são feitos para serem vendidos”. Mais um capítulo de uma longa história.

“Os que queimam livros acabam queimando homens”
Heinrich Heine, poeta alemão (1797-1856)

Dizem os historiadores que os primeiros livros foram feitos na Suméria, Mesopotâmia (hoje o centro-sul do Iraque), entre 3.000 e 4.000 anos a.C.

Ao longo de cerca de 55 séculos, a humanidade destruiu milhões de livros e documentos, nas suas primeiras formas: tabletas de argila, papiros, pergaminhos (dos babilónios, assírios, egípcios, persas e chineses); depois em papel (inventado na China no início do séc. II e introduzido na Europa pelos árabes no séc. XII), até à forma em que hoje os conhecemos. Foram destruídos em diferentes contextos, por diferentes razões: em guerras, por vontade dos seus autores ou dos seus rivais, por razões morais, religiosas, políticas, ideológicas, raciais, culturais ou… outras.

Em grande parte tirados do livro História universal da destruição dos livros: das tabletas sumérias à guerra do Iraque, que é o resultado de 12 anos de pesquisa de Fernando Baez, autor venezuelano de 36 anos, damos conta de alguns passos dessa destruição através da história, até aos dias de hoje.

Fotocomposição de Emília Duarte

Fotocomposição de Emília Duarte

A biblioteca de Ebla, na Síria, foi destruída pelo rei Naram Sin, no séc. XXIII a.C. O faraó Akhnatón (séc. XIV a.C.) mandou queimar milhares de papiros porque falavam de espectros e de espíritos e a biblioteca de Ramsés II (séc. XIII a.C.), em Tebas, desapareceu. Entre os restos da Biblioteca de Assurbanipal (séc. VII a.C), em Ninive, que foi arrasada pela guerra e que é considerada pelos historiadores a biblioteca mais antiga do mundo, os arqueólogos encontraram mais de 20 mil tabletas. O imperador Shih Huang Ti (212 a.C.) mandou edificar a Grande Muralha da China e determinou que fossem queimados todos os livros anteriores a ele. As sucessivas destruições da Biblioteca de Alexandria (fundada no início do séc. III a.C. e com um acervo de cerca de um milhão de livros) sepultaram para sempre a maioria das obras da antiguidade clássica. Papiros com textos de Hesíodo, Platão, Górgias, Safo e muitos outros, foram usados para acender o fogo dos banhos públicos da cidade. Das 800 peças de comédia grega apenas restam algumas obras de Plauto e Menandro. Na Grécia, estima-se que 75% da literatura, filosofia e ciência antiga se perderam. Das 120 obras de Sófocles, só existe a versão integral de sete e muitos fragmentos. Paulo de Tarso (São Paulo), no primeiro século da nossa era, levou os magos de Éfeso a queimarem voluntariamente os seus livros, para que não caíssem nas mãos dos cristãos. Em meados do século IV, em Roma praticamente não havia livros.

No séc. XII, o papa Inocêncio III destruiu a obra de Abelardo. Em 1204, quando a Quarta Cruzada chegou a Constantinopla, milhares de manuscritos foram destroçados e um ataque das tropas turcas, em 1453, destruiu milhares de livros. No século XV, uma guerra civil no Japão acabou com todas as bibliotecas de Kioto. Antes da instituição da Inquisição em Portugal (1536), um alvará de Afonso V, de 1451, ordenava que os livros falsos e heréticos fossem queimados e “non fossem mais achados em os nossos reinos”. Em 1495, Savonarola, em Florença, mandou queimar livros e quadros e, depois, a Igreja queimou todos os seus escritos, sermões, ensaios e panfletos. No séc. XVI, o exército de Carlos V, ao conquistar Roma, destruiu muitas bibliotecas. Sobre a Monarquia, de Dante, foi reduzido a cinzas. Depois de o papa Paulo III restabelecer a Inquisição (cujos princípios básicos remontam a 1184), como órgão oficial da Igreja (1542), Carlos IX, em França, passou a destruir, pelo fogo, livros perigosos. Da primeira edição de As Centúrias, de Nostradamus, só restam dois exemplares. Os colonizadores da América provocaram o desaparecimento de códices pré-hispânicos. No séc. XVIII, em França Os Pensamentos filosóficos, de Diderot, foram incinerados por ordem do Parlamento. Na Revolução Francesa, só em Paris, mais de 8 mil livros foram queimados. Em meados do séc. XIX, quando tomaram o Canadá, os soldados americanos queimaram a Biblioteca Legislativa e, como vingança, os ingleses queimaram a Biblioteca do Congresso Americano. A origem das espécies, de Charles Darwin, teve muitos exemplares queimados. Durante a Comuna de Paris, várias bibliotecas foram destruídas. Já no século XX, a côrte de Westminster, na Inglaterra, decretou a eliminação de todos os exemplares do Satyricon, de Petrónio. O impressor irlandês John Falconer queimou 999 dos mil exemplares da primeira edição de Dublinenses, de James Joyce.O Amante de Lady Chatterley, de D. H. Lawrence, teve a primeira edição inteiramente destruída. Durante a Guerra Civil Espanhola, a Biblioteca Nacional, em Madrid, foi bombardeada. Franco, com um decreto oficial, iniciou um movimento de “depuração” das bibliotecas. Os nazis, na Alemanha, queimaram centenas de milhares de livros.

No local onde os nazis fizeram uma grande fogueira de livros, em Berlim, em 1933, está hoje um memorial: uma biblioteca para 20.000 livros… completamente vazia.

No local onde os nazis fizeram uma grande fogueira de livros, em Berlim, em 1933, está hoje um memorial: uma biblioteca para 20.000 livros… completamente vazia.

A expansão soviética destruiu muitas bibliotecas. Só em 1944, dezenas delas foram arrasadas em Budapeste (Hungria) e, na Roménia, trezentos mil livros desapareceram. Na Revolução Cultural chinesa, todos os livros considerados ofensivos à consciência do povo eram queimados. No Brasil, Getúlio Vargas mandou queimar 1700 exemplares de Dona Flor e Seus Dois Maridos, de Jorge Amado e, quando do golpe militar de 1964, na famosa “Fogueira de livros de Florianópolis”, os livros da Livraria Anita Garibaldi foram todos queimados e a primeira edição de A Cidade e os Cães, de Mario Vargas Llosa foi confiscada e totalmente queimada. A acusação de pornografia levou o Departamento de Estado norte-americano a queimar livros do psicanalista Wilhelm Reich. Os Khmers Vermelhos no Camboja, em 1975, destruíram a Biblioteca Nacional de Phnom Penh onde penduraram um letreiro: “Não há livros. O governo do povo triunfou”. No Chile, Pinochet atacou a sede da Editora Quimantú, destroçando milhares de livros. Em 1980, na Argentina, a ditadura destruiu 1,5 milhão de volumes. Os talibãs destruíram em Cabul, capital do Afeganistão, todos os livros contrários à sua fé. No conflito entre judeus e palestinianos, milhares de livros, de ambos os lados, já foram perdidos. Em 1994, quando as tropas russas entraram na Chechénia e arrasaram Grosny foram destruídos dois milhões e setecentos mil livros. Calcula-se que em toda a Chechénia mais de mil bibliotecas e mais de 11 milhões de livros foram dizimados. Em 1997, os bibliotecários da Escola Hertford, no Reino Unido, mandaram destruir 30 mil livros sobre temas homossexuais. Em 1998, na Virgínia Ocidental, um Colectivo de Mulheres queimou livros considerados degradantes para a condição feminina. Em Cuba, em 1999, centenas de livros doados pelo governo espanhol foram destruídos. Recentemente, grupos diversos manifestaram a intenção de destruir a Biblioteca do Congresso americano e a Biblioteca do Vaticano.
Foto de Valter Jacinto

Foto de Valter Jacinto

Rimbaud (1854-1891) queimou muitos de seus manuscritos. Franz Kafka (1883-1924), antes de morrer, pediu ao seu amigo Max Brod que queimasse os seus manuscritos. O filósofo romeno Emil Cioran (1911-1995) deixou 34 cadernos de mil páginas com uma indicação: “Destruir”. Século XXI 2001 – A Igreja da Comunidade de Cristo no Novo México (EUA), fez uma “fogueira sagrada” com livros do Harry Potter.

A biblioteca de Bagdad durante a invasão americana, em 2003. Numa conferência de imprensa no Pentágono, quando o secretário de Defesa norte-americano, Donald Rumsfeld, foi questionado sobre a perda, respondeu: «Já tivemos saques neste país. Já vimos tumultos em partidas de futebol em vários países do mundo. Próxima pergunta».

Acerca da biblioteca de Bagdad durante a invasão americana, Donald Rumsfeld respondeu: «Já tivemos saques neste país. Já vimos tumultos em partidas de futebol em vários países do mundo. Próxima pergunta».

2003 – Com a invasão americana, a Biblioteca Nacional de Bagdad foi totalmente destruída. Tabletas de argila dos sumérios, com mais de 5.300 anos, pelas quais comerciantes de arte pagam até 57.000 dólares cada uma, foram roubadas das vitrinas. Um milhão de livros, 10 milhões de documentos e 14.000 artefactos perderam-se. Queimada a sede do Ministério de Assuntos Religiosos, perdeu-se uma colecção de Alcorões, alguns com mais de mil anos.

2007 - A “Happy Ending Foundation”, uma associação de pais britânicos contra livros infantis sem um final feliz organizou “Fogueiras dos Livros Maus”.

2008 - Em Israel, numa acção contra missionários cristãos, judeus ortodoxos incendiaram centenas de cópias do Novo Testamento.

Maio 2009 - O ministro da Cultura do Egipto, Farouk Hosni, candidato a director-geral da Unesco (organização criada para promover a cultura no Mundo), ameaçou queimar todos os livros israelitas que encontrasse. Alegou depois que não era aquilo que pretendia dizer, que foi um uso metafórico, alegórico…

“Fahrenheit 451” - filme de François Truffaut, baseado no romance homónimo de Ray Bradbury.

“Fahrenheit 451” - filme de François Truffaut, baseado no romance homónimo de Ray Bradbury.

Junho 2009 – Um panfleto distribuído numa praia do centro de Portugal convidava os jovens para uma festa de fim do ano escolar, organizada por um bar: “Uma noite branca sobre cinzas” - “Traz um livro para queimar & vê o estudo a acabar!!!”.

Julho de 2009 - Tem vindo a aumentar nos últimos meses o número de editoras portuguesas que recorrem à destruição de exemplares dos fundos editoriais como forma de fazerem face à crise. Está em curso a destruição de muitos milhares de livros. Também a Imprensa Nacional-Casa da Moeda (editora do Estado) ameaça destruir centenas de milhares de livros editados há mais de quatro anos, porque “ocupam um espaço infindo”. Interrogado sobre por que razão não os doavam, Alcides Gama, director comercial da IN-CM, respondeu: “Se as bibliotecas se habituam a receber os livros oferecidos acabam por não os comprar e os livros são feitos para serem vendidos”.
Por Passa Palavra

Um comentário:

Educador que não cala! disse...

Faltou aí a do FHC, quando disse para esquecermos o que ele escreveu! Deveríamos queimar seus livros???